Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Livros da Mãe

Uma tradutora partilha o que anda a ler

Livros da Mãe

Uma tradutora partilha o que anda a ler

13
Fev19

Too little information and you're blind, too much and you're blinded

Rita

The Seven Deaths of Evelyn Hardcastle - Stuart Turton

The-Seven-Deaths-of-Evelyn-Hardcastle-insta.png

(Imagem: Blog Un Jour Un Livre / Instagram Un Jour Un Livre)

 

Neste livro seguimos a história de Aiden Bishop que acorda certo dia no corpo do médico Sebastian Bell, na mansão da família Hardcastle, Inglaterra dos anos 20. Nesse mesmo dia, a família Hardcastle tinha juntado vários convidados para celebrar o regresso da sua filha Evelyn, após vários anos no estrangeiro.

 

Após a confusão inicial, Aiden percebe que acordou nesse dia, nesse corpo que não é seu, com uma missão - descobrir até às 23:00 quem irá assassinar Evelyn. Se não o conseguir fazer, irá adormecer e acordar no dia seguinte no corpo de outro convidado da festa, reviver este mesmo dia e tentar novamente descobrir quem é o responsável pelo assassinato. E assim sucessivamente durante 8 dias/ 8 "anfitriões" diferentes.

 

Começamos então a acompanhar Aiden na sua viagem pelos diferentes corpos, a travar as batalhas de cada um e a tentar resolver o mistério, usando os pontos fortes e fracos de cada um dos seus "anfitriões".

 

A premissa é original e ao mesmo tempo um pouco nostálgica porque parece que nos transporta de novo para um livro de Agatha Christie. Pelo resumo que acabei de fazer, poderia parecer um livro mais a puxar para a ficção científica mas este livro é um policial com um ambiente muito similar aos de Agatha Christie.

 

Li as 500 e tal páginas do livro rapidamente, sempre a tentar adivinhar quem eram os responsáveis pelo assassinato e pelos outros pequenos mistérios paralelos que iam aparecendo à medida que a história avançava. Posso dizer que todas as minhas teorias estavam erradas  e que só na última página (literalmente) é que se consegue desenrolar esta enorme teia.

 

Voltando ao título do post (a minha frase favorita deste livro) - com tantas personagens e tanta informação, tudo isto poderia ser simplesmente demais. A informação em demasia poderia bloquear a nossa capacidade de entrar na história e nos relacionarmos com aquelas personagens. No entanto, não foi o caso. Gostei de conhecer todas as personagens que Aiden "encarnou". Todas tão diferentes, todas a contribuírem à sua maneira para encontrar a resposta às perguntas que o livro nos coloca.

 

O fim foi, por vários motivos, uma boa surpresa. Sinto que em muitos policiais, a resolução do assassinato aparece atabalhoadamente no fim, uma explicação não muito coerente para o porquê daquele acontecimento. Neste livro, à medida que vamos desvendando as várias pontas soltas do enredo, tudo encaixa bem, tudo faz sentido, tudo é revelado no momento certo.

 

Em suma: um policial como nunca tinha lido, uma grande leitura e um livro que tenho a certeza que também vai ter enorme sucesso quando for publicado em Portugal.

 

Ofereceria este livro a: toda a gente, para ser sincera...